Sobre a vacina

Informação geral

Sputnik V

A “Sputnik V” é a primeira vacina registrada do mundo com base na bem estudada plataforma de vetor de adenovírus humano. Está aprovada em 70 países com uma população total de 4 bilhões de pessoas.

A vacina leva o nome do primeiro satélite espacial soviético. O lançamento do Sputnik 1 em 1957 deu um novo impulso à exploração espacial em todo o mundo, criando o chamado “momento Sputnik” para a comunidade mundial.

A eficácia da vacina é de 97,6% com base na análise dos dados de incidência do coronavírus em russos vacinados com os dois componentes do fármaco no período de 5 de dezembro de 2020 a 31 de março de 2021.

Os ensaios clínicos de Fase 1 e 2 da vacina foram concluídos em 1º de agosto de 2020. Os resultados da terceira fase dos ensaios clínicos na Rússia foram publicados na The Lancet em 2 de fevereiro de 2021. Os ensaios clínicos de Fase III da “Sputnik V” também estão sendo realizados com sucesso nos Emirados Árabes Unidos, Índia, Venezuela e Belarus.

A vacina “Sputnik V” é baseada em uma plataforma comprovada e bem estudada de vetores adenovirais humanos, que causam o resfriado comum e que são encontrados pela humanidade há milênios.

Na vacina “Sputnik V”, pela primeira vez entre as vacinas contra o coronavírus, foi aplicada uma abordagem de boost heterogêneo, que se baseia na utilização de dois vetores diferentes para duas injeções durante o processo de vacinação. Essa abordagem cria uma imunidade mais forte em comparação com as vacinas que usam o mesmo mecanismo de aplicação para ambas as injeções.

A segurança, eficácia e ausência de efeitos negativos de longo prazo das vacinas de adenovírus foram comprovadas em mais de 250 estudos clínicos ao longo de duas décadas.

A “Sputnik V” não causa alergias graves.

A temperatura de armazenamento de + 2 + 8 graus Celsius permite que a vacina seja armazenada em um refrigerador convencional sem a necessidade de investimento em infraestrutura adicional da cadeia de frio.

A vacina “Sputnik V” é eficaz contra novas cepas de coronavírus, de acordo com pesquisa do Centro Gamaleia, publicada na renomada revista internacional Vaccines. A vacinação com o fármaco produz títulos de anticorpos neutralizantes protetores contra novas cepas, incluindo Alfa B.1.1.7 (identificada pela primeira vez no Reino Unido), Beta B.1.351 (identificada pela primeira vez na África do Sul), Gama P.1 (identificada pela primeira vez no Brasil) , Delta B. 1.617.2 e B.1.617.3 (identificado pela primeira vez na Índia) e variantes B.1.1.141 e B.1.1.317 identificadas em Moscou com mutações no domínio de ligação ao receptor (RBD).

Certidão de registro do Ministério da Saúde

Sputnik Light

A “Sputnik Light” é feita do primeiro componente (adenovírus humano recombinante sorotipo 26 (Ad26)) da vacina ‘Sputnik V’, que é a primeira vacina registrada no mundo contra o coronavírus.

A vacina “Sputnik Light”, assim como a “Sputnik V”, foi criada com base em uma plataforma comprovada e bem estudada de vetores adenovirais humanos, que causam o resfriado comum e que a humanidade enfrenta há milênios.

A eficácia da vacina de componente único “Sputnik Light” foi de 79,4% com base na análise de dados do 28º dia após o recebimento da imunização por cidadãos da Federação da Rússia como parte do programa de vacinação em massa no período de 5 de dezembro de 2020 a 15 de abril de 2021.

Uma taxa de eficácia de cerca de 80% excede a de muitas vacinas que requerem duas injeções.

A “Sputnik Light” é eficaz contra todas as novas cepas de coronavírus de acordo com os resultados de estudos de laboratório do Centro Nacional de Investigação de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya.

O estudo de segurança e imunogenicidade da Fase I/II da “Sputnik Light” demonstrou os seguintes resultados:

  • A imunização com a vacina “Sputnik Light” possibilita o desenvolvimento do nível de anticorpos IgG antígeno-específicos em 96,9% das pessoas vacinadas no 28º dia;

  • Os anticorpos neutralizantes do vírus são produzidos no 28º dia após a imunização em 91,67% das pessoas que receberam uma injeção da vacina “Sputnik Light”.

  • A resposta imune celular à proteína S SARS-CoV-2 é formada em 100% dos vacinados já no 10º dia.

  • A imunização com a vacina ‘Sputnik Light’ de pessoas que têm imunidade preexistente ao SARS-Cov2 permite um aumento no título de anticorpos IgG específicos para o antígeno em mais de 40 vezes em 100% das pessoas vacinadas já no 10º dia;

  • Nenhum evento adverso grave foi relatado após a imunização com a “Sputnik Light”.

Certidão de registro do Ministério da Saúde

vacina Sputnik V
vacina Sputnik V

Como funcionam as vacinas de vetores de adenovírus

"Vetores" são portadores que podem entregar material genético de um outro vírus para uma célula. Nesse caso, o material genético do adenovírus que causa a infecção é removido e o material com um código de proteína de outro vírus, neste caso de um coronavírus, é inserido. Este novo elemento é seguro para o corpo, mas ajuda o sistema imunológico a responder e produzir anticorpos que protegem contra infecções.

A plataforma tecnológica de vetores baseados em adenovírus torna mais fácil e rápido criar novas vacinas por meio da modificação do vetor transportador inicial com material genético de novos vírus emergentes que ajuda a criar novas vacinas em um tempo relativamente curto. Essas vacinas provocam uma forte resposta do sistema imunológico humano.

Os adenovírus humanos são considerados os mais fáceis de modificar, razão pela qual se tornaram muito populares como vetores.

Um estudo aberto da segurança, tolerabilidade e imunogenicidade da vacina "Gam-COVID-Vac Lyo" contra COVID-19

Um estudo aberto da segurança, tolerabilidade e imunogenicidade da vacina "Gam-COVID-Vac" contra COVID-19



Vantagens da imunização inicial-reforço

graph-POR.svg

vacina Sputnik V vacina Sputnik V

Segurança e eficiência

Após o início da pandemia de COVID-19, pesquisadores russos extraíram um fragmento de material genético do novo coronavírus SARS-COV-2, que codifica informações sobre a estrutura da proteína S, que forma a “coroa” do vírus e é responsável pela conexão com células humanas. Eles o inseriram em um vetor de adenovírus familiar para distribuição em uma célula humana, criando a primeira vacina contra o COVID-19 do mundo.

De acordo com os ensaios clínicos, a eficácia da vacina Sputnik V contra COVID-19 é de 91,6%. O cálculo desse indicador foi feito com base em dados de 19.866 voluntários que receberam a primeira e a segunda injeções da vacina Sputnik V ou placebo - no estágio final de controle, 78 casos confirmados de COVID-19 foram registrados. Os resultados do estudo da eficácia da vacina Sputnik V passaram por uma avaliação comparativa internacional. Os dados obtidos estão publicados na revista The Lancet.

EFICÁCIA CONTRA NOVAS CEPAS

Em 12 de julho de 2021, a renomada revista internacional Vaccines publicou um estudo do Centro Gamaleia sobre a eficácia da vacina Sputnik V contra novas cepas de coronavírus.

A vacinação com o fármaco produz títulos de anticorpos neutralizantes protetores contra novas cepas, incluindo Alfa B.1.1.7 (identificada pela primeira vez no Reino Unido), Beta B.1.351 (identificada pela primeira vez na África do Sul), Gama P.1 (identificada pela primeira vez no Brasil), Delta B. 1.617.2 e B.1.617.3 (identificadas pela primeira vez na Índia) e variantes B.1.1.141 e B.1.1.317 identificadas em Moscou com mutações no domínio de ligação ao receptor (RBD). A metodologia de pesquisa baseia-se na avaliação da atividade neutralizante (VNA) por meio de um vírus vivo, que permite obter os dados mais confiáveis e leva o padrão “ouro”. No decorrer do estudo, o VNA do soro de sangue humano após a vacinação com a “Sputnik V” foi comparado com amostras de cepas com distribuição internacional, com o VNA contra a cepa original B.1.1.1. O soro sanguíneo foi coletado de indivíduos imunizados com ambos os componentes da “Sputnik V”.

Os dados obtidos demonstram que a “Sputnik V” mantém suas propriedades protetoras contra novas cepas. A diminuição do nível de atividade neutralizante da “Sputnik V” para uma série de cepas acabou sendo significativamente menor em comparação com os dados publicados pelos fabricantes de outras vacinas, que haviam previamente confirmado a eficácia de seus medicamentos contra novas mutações da infecção por coronavírus.


A Rússia tem a maior credibilidade como fabricante de vacinas; a Sputnik V é a vacina mais reconhecida, de acordo com uma pesquisa da YouGov

Uma das maiores pesquisas globais de vacinas conduzidas pela YouGov em 11 países e a 1ª no Oriente Médio e Sudeste Asiático

A sua mensagem foi enviada com sucesso!

Você está inscrito para receber nossas notícias.
Obrigado!